top of page

Manifesta carnaval de rua livre, com diversidade e democracia!

Em unidade na diversidade, as principais organizações do carnaval de rua da cidade de São Paulo soltaram um manifesto. Estão juntas ABASP, Arrastão dos Blocos, Comissão Feminina, Fórum dos Blocos, UBCRESP e OCUPA SP.

Foi lançado hoje e virou um abaixo assinado que todas as pessoas, coletivos culturais, organizações e entidades podem assinar. é só preencher no https://bit.ly/carnalivre2022 . Apoie e divulgue essa iniciativa.



MANIFESTA CARNAVAL DE RUA LIVRE COM DIVERSIDADE E DEMOCRACIA!

CONTRA A VIOLÊNCIA POLICIAL E CONTRA A CENSURA! – ABRIL DE 2022


Quando a humanidade inventou a rua, o carnaval já existia. É mais antigo do que a República Brasileira, mais antigo do que a Constituição Federal. Carnaval é tradição na Cultura Popular. Ele torna reais direitos necessários para a existência humana: direito à liberdade, direito à cidade, direito à democracia, direito à folia, à alegria, ao prazer... o direito à vida!


Estamos vivendo tempos difíceis e complexos para quem defende a vida. Guerra, genocídio, pandemia, fome, carestia, inflação e desemprego. Para aglomerar na rua com responsabilidade é necessário compromisso com a ciência, alto índice de vacinação, contaminações e mortes em curvas pequenas e descendentes.


Para defender a vida nós ficamos em casa o tanto quanto foi possível nos últimos dois anos. Não colocamos o bloco na rua e cumprimos nossa responsabilidade coletiva. Nos dias atuais, o cenário sanitário parece promissor e estável. Festivais, campeonatos esportivos, eventos religiosos e de negócios estão acontecendo normalmente. O sambódromo já está com a festa marcada e não há justificativa para proibir carnaval de rua livre, diverso e democrático, nesse abril de 2022.


Não podemos aceitar qualquer violência contra o carnaval. Não podemos aceitar ameaças, censuras, punições ou castrações – físicas ou jurídicas – contra aquilo que é nosso por direito: bater nossos tambores em praça pública.


Governos deveriam apoiar a cultura e o carnaval popular. Desgovernos podem dificultar. Mas todos devem saber: quem faz e decide sobre a festa é o povo, auto-organizado em blocos, cordões, quilombos, escolas, fanfarras, suas comunidades, folionas e foliões... E não importa a forma: seja numa roda, num ensaio ou num cortejo, o carnaval deve ser respeitado.


Carnaval é respeito: aos corpos, às fantasias, à comunidade, a quem dele vive e trabalha. Carnaval é cuidar da natureza celebrando a entrada e saída de mais um ciclo. São os catadores que trabalham e se divertem, são os ambulantes que não atravancam o caminho, são as pessoas que voluntariamente cuidam da rua da cidade onde moram, são artistas. É trabalho coletivo, organicamente evocando toda nossa brasilidade.


As maiores riquezas do Brasil são nossa natureza, nosso povo e nossa cultura. Não os interesses que privilegiam o lucro, o individualismo, o consumismo e o patrimonialismo. Não aceitamos hipocrisias. Qual é o critério que privilegia aglomerações em espaços privados e reprime o livre encontro público? Nossa festa vai tomar forma e vai acontecer nas ruas, esquinas, vielas e praças de nossa cidade como sempre aconteceu, vai florescer em celebração como sempre fez.


A gente vem de longe: é ancestral e histórica a força do carnaval. Temos a Lei do nosso lado, pois a garantia da manifestação livre é direito constitucional. E seguiremos multiplicando vida através da alegria.


Contra todo tipo de autoritarismo, violência e censura contra a cultura popular!

Em defesa do Carnaval de Rua Livre, com diversidade e democracia!


____________

O Arrastão dos Blocos, coletivo que assina a manifesta, conta desde sua criação com a participação do Vai Quer Qué, bloco parceiro da Terra Redonda, que teve sua história registrada no livro "40 anos do glorioso Vai Quem Quer", de Pato Papaterra.

58 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page